Moxico precisa de mais 400 salas de aula

A provincia do Moxico necessita de mais de 400 salas de aulas para satisfazer a procura, revelou, a OPAÍS, o director local da Educação, Raimundo Ricardo.

No entanto, garante que se está a desenvolver acções visando atenuar as carências neste domínio no anterior construiu-as de modo a que as crianças de algumas aldeias pudessem estudar”, frisou.

Acrescentou de seguida que “a proliferação de sobas e de autoridades tradicionais é tão alta que vamos tendo segmentos de sobado que, no fundo, em termos de educação não contribuem, nem em termos de autoridade”.

Raimundo Ricardo que diz estar a reorganizar o pelouro na maior província de Angola, em termos de dimensão territorial, e afirma que o seu gabinete está bem servido no que respeita ao corpo docente. “No momento em que vos falo, o Moxico não tem falta de professor”, declarou, frisando que o facto se deve à supervisão feita nas escolas, com base nos instrutivos.

O responsável da Educação nesta província, apelidada de “capital da paz”, disse que este ano lectivo registaram um aumento de 17% de matrículas em relação ao ano transacto, pelo que prognosticam que no próximo, isto em 2020, a subida deverá rondar os 20%.

Daí que não haja escolas que cheguem para esta demanda, “de modo que o Governo, nesta óptica, por orientação do dr. Muandumba nos orienta a nos precavermos desde já, de modo a que não enfrentemos as mesmas dificuldades que tivemos este ano”, referiu.

Sem avançar dados concretos sobre o universo de salas existentes na sua área de jurisdição, Raimundo Ricardo salientou que existem, neste momento, 190 salas por concluir e “um total de 330 escolas”. Lamentou, contudo, o facto de haver ainda crianças a estudar debaixo de árvores, garantindo que ao lado dessas árvores o Governo do Moxico está a construir escolas.

“Vão encontrar aqui salas feitas de chapas, tirámos os meninos do relento e enchemos as salas de chapa. Porquê? No Moxico chove muito e faz muita poeira e sol. Nós temos obrigação de dar o mínimo de dignidade às nossas crianças.

Estamos a fazer a nossa parte”, frisou. Se, por um lado, há comunidades carentes de salas para acomodar alunos, por outro, existem aquelas que registam cenários completamente opostos, ou seja, um número considerável de salas para “meia dúzia de crianças”.

Razão pela qual estão a ser ensaiadas “algumas acções que consideramos serem as melhores práticas de gestão escolar”, de modo a não prejudicar ninguém. “Nós temos também escolas, por exemplo T14, em locais onde temos meia dúzia de crianças. O Gover- “Nós temos também escolas, por exemplo T14, em locais onde temos meia dúzia de crianças”.

Raimundo Ricardo, director provincial da Educação Crianças numa sala de aulas improvisada Ministério da Educação, que impõem ao professor que tenha no mínimo 24 tempos em sala de aulas. Como resultado de um rastreio realizado, detectaram a existência de professores que tinham somente entre 2 a quatro tempos semanais e tiveram de ajustar.

“Encontrámos alguma resistência. Nesse último concurso, o Moxico recebeu 941 vagas e não perdemos nenhuma delas”, esclareceu. Nos próximos dias, pontualiza o director, o Governo do Moxico deverá começar a fazer o uso de energia solar nas principais unidades escolares, para garantir o funcionamento de algumas escolas no período nocturno. texto de Constantino Eduardo fotos de Jacinto Figueiredo